Pular para o conteúdo
Início » Notícias » Centenário de Serra-talhadense que Serviu na 2ª Guerra Mundial é Celebrado

Centenário de Serra-talhadense que Serviu na 2ª Guerra Mundial é Celebrado


Centenário de Serra-talhadense que Serviu na 2ª Guerra Mundial é Celebrado

No último sábado (1º), o centenário de um serra-talhadense foi motivo de orgulho e celebração para a família Rufino em Serra Talhada. Há exatamente um século, Cornélio Rufino Alves nasceu na Vila de São Francisco, um distrito da cidade onde passou sua infância e adolescência. Filho de Maria Gomes de Souza e José Rufino Alves, ambos agricultores, a família posteriormente se estabeleceu na Fazenda Saco, região que hoje é conhecida como IPA.

Cornélio, um menino talentoso com os números, trocou o lápis e a caneta pelas armas. Aos 16 anos, ele ingressou como combatente na Segunda Guerra Mundial e atuou na ilha de Fernando de Noronha, sendo responsável pelo armamento. Mesmo após o fim da guerra em 1945, o serra-talhadense continuou no exército brasileiro e posteriormente ingressou na Polícia Militar em Recife.

Quatro anos depois, ele seguiu para Exu, onde encontrou um novo posto e uma nova vida, e foi lá que se apaixonou pela jovem Waldenir Araújo. Cornélio Rufino e sua falecida esposa subiram ao altar em 1950, e dessa união nasceram 9 filhos: Eleide, Eliton, Eliane, Edson, Cornélio Filho, Eliedna, Elisie, Elisiane e Maria de Socorro.

Fonte: faroldenoticias


Cornélio, após 30 anos longe da capital do xaxado, decidiu retornar e estabelecer-se definitivamente lá. Foi nessa terra que ele criou seus filhos, vinte e cinco netos e oito bisnetos. Durante sua carreira militar, teve a oportunidade de trabalhar em diversas cidades do interior de Pernambuco. Graças ao seu carisma, bondade e generosidade, ele sempre cultivava novas amizades por onde passava.

Alguns anos depois, Cornélio decidiu colocar um táxi em serviço, conciliando essa atividade com sua paixão pela agricultura e criação de animais. Em 2019, recebeu uma homenagem do 14° Batalhão de Polícia Militar de Pernambuco por ser o policial mais antigo da região. Suas fotos ainda hoje adornam o painel principal do Quartel do Derby, em Recife.

Fonte: faroldenoticias


Seu Cornélio Rufino atravessou tempos de guerra, ditadura e anos de repressão como militar, mas sempre transmitiu aos seus filhos os valores da cultura da paz. “Vou partir deste mundo sem deixar inimizades para trás”, costumava dizer à sua prole.

“Aqueles que tiveram a oportunidade de conhecer Seu Cornélio certamente se recordam de suas histórias ricas em detalhes. Sua forma leve de encarar a vida transparece e contagia todos ao seu redor, destacando-se sempre por seu cuidado e carinho com os filhos. Hoje, agradecemos a Deus por sua vida, um século completo que traz consigo uma trajetória de superação e generosidade”, escreveram seus filhos em uma emocionante homenagem.