Pular para o conteúdo
Início » Notícias » EUA concluem destruição das últimas armas químicas remanescentes da Primeira Guerra Mundial

EUA concluem destruição das últimas armas químicas remanescentes da Primeira Guerra Mundial

EUA iniciam destruição das últimas armas químicas remanescentes da Primeira Guerra Mundial no Kentucky

O Departamento de Defesa dos Estados Unidos anunciou que as últimas armas químicas da Primeira Guerra Mundial serão destruídas em uma instalação militar no estado do Kentucky. Essa ação faz parte de uma campanha que busca encerrar as reservas remanescentes desde o fim da Guerra Fria nos anos 90.

Em conformidade com a Convenção Internacional de Armas Químicas, assinada por 193 países e em vigor desde 1997, os Estados Unidos têm até 30 de setembro deste ano para eliminar todas as suas armas químicas restantes.

As munições que estão sendo destruídas no Kentucky são os últimos vestígios de 51.000 foguetes M55 contendo o agente nervoso GB, também conhecido como Sarin, que foram armazenados desde a década de 1940. Essa ação marca o encerramento de décadas de esforços para eliminar completamente essas armas químicas históricas.

Fonte: Arena News

EUA destroem últimas armas químicas remanescentes da Primeira Guerra Mundial em mensagem contra o uso dessas armas

Com a destruição das munições químicas remanescentes, os Estados Unidos enviam uma mensagem clara de que esse tipo de arma não é aceitável no campo de batalha, buscando influenciar os países que ainda não aderiram ao acordo, de acordo com especialistas militares.

As armas químicas foram utilizadas pela primeira vez na era moderna durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918), onde estima-se que tenham causado a morte de pelo menos 100.000 pessoas.

Embora o uso dessas armas tenha sido proibido posteriormente pela Convenção de Genebra de 1949, alguns países continuaram a armazená-las até que o tratado exigisse sua destruição. Com a ação dos EUA, espera-se um impacto significativo na conscientização global sobre a necessidade de erradicar essas armas e evitar seu uso no futuro.

Fonte: BBC

EUA concluem operação de destruição de quase 800.000 munições químicas com agente de mostarda armazenadas desde a década de 1950

No Kentucky, os EUA encerraram a operação de destruição das munições químicas com agente de mostarda que foram armazenadas em bunkers de cimento altamente protegidos desde os anos 1950. As munições mais problemáticas foram enviadas para uma câmara de detonação blindada de aço inoxidável, onde foram destruídas a uma temperatura de aproximadamente 593 graus Celsius.

Os estados norte-americanos de Colorado e Kentucky foram os últimos a realizar essa tarefa, juntando-se a outros estados como Alabama, Arkansas, Oregon e Utah, que também armazenaram e destruíram as armas químicas dos EUA. Essa operação marca o fim de décadas de esforços para eliminar essas munições e cumprir as obrigações da Convenção Internacional de Armas Químicas.