Pular para o conteúdo
Início » Notícias » Transporte aéreo mundial se aproxima dos níveis pré-pandemia em maio

Transporte aéreo mundial se aproxima dos níveis pré-pandemia em maio

A atividade das companhias aéreas se aproximou dos níveis pré-pandemia em maio, alcançando 96,1% da frequência registrada no mesmo mês de 2019, anunciou a principal associação do setor nesta quinta-feira (6). Essa recuperação foi impulsionada pela demanda por viagens domésticas.

De acordo com a Associação Internacional de Transportes Aéreos (IATA), a atividade das rotas domésticas, medida em passageiros/quilômetros pagos, atingiu uma média de 105,3% do nível registrado há quatro anos. Maio foi o segundo mês consecutivo em que a frequência das rotas domésticas superou os números anteriores à pandemia.

Fonte: Folha PE

Em maio, as conexões internacionais se recuperaram para atingir 90,8% dos níveis registrados há quatro anos, conforme divulgado pela mesma fonte. A associação, que anteriormente previu cerca de 4,35 bilhões de viagens aéreas individuais para este ano, aproximando-se do recorde de 4,54 bilhões em 2019, também celebrou a taxa de ocupação de 81,8%, equivalente aos níveis pré-pandemia.

A IATA expressou otimismo ao afirmar que espera que suas companhias aéreas membros alcancem um lucro global de US$ 9,8 bilhões (equivalente a R$ 47,5 bilhões na cotação atual) este ano, após as perdas acumuladas de US$ 183 bilhões (R$ 888 bilhões) entre 2020 e 2022.

Fonte: DT

Em maio, as conexões internacionais se recuperaram para atingir 90,8% dos níveis registrados há quatro anos, conforme divulgado pela mesma fonte. A associação, que anteriormente previu cerca de 4,35 bilhões de viagens aéreas individuais para este ano, aproximando-se do recorde de 4,54 bilhões em 2019, também celebrou a taxa de ocupação de 81,8%, equivalente aos níveis pré-pandemia.

A IATA expressou otimismo ao afirmar que espera que suas companhias aéreas membros alcancem um lucro global de US$ 9,8 bilhões (equivalente a R$ 47,5 bilhões na cotação atual) este ano, após as perdas acumuladas de US$ 183 bilhões (R$ 888 bilhões) entre 2020 e 2022.